quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Guadalupeças


Já faz mais de trinta dias desde que escrevi o último post aqui no blog, que foi sobre o Guadalupeças do mês passado. Infelizmente, não tenho conseguido manter uma boa frequência esse ano. Toda vez que sento para fazer o post do evento penso nisso. São tantos jogos sobre os quais eu gostaria de escrever, mas aí vou adiando, acaba não saindo nada e a lista só vai crescendo. Às vezes, sinto vontade de desistir do blog. Ele está tão distante daquilo que eu gostaria que fosse, e não vejo como mudar isso a curto prazo, porém continuo porque apesar de tudo é uma atividade divertida. 

Depois desse pequeno parágrafo inicial recheado de lamentações, vamos ao que interessa. Todo terceiro domingo do mês é o dia do nosso querido Guadalupeças e nessa edição do evento contamos com a presença do pessoal da Hod Studio que trouxe o Bifrost e o La Muerte para mostrar ao pessoal. Dois party games nacionais bem bacanas que devem dominar muitas mesas dentro dos próximos meses.


O Bifrost é um velho conhecido nosso. Ele já tinha passado pelo evento uns dois anos atrás, na época do financiamento coletivo que não deu certo. Acredito que não conseguir financiar um projeto deve ser algo bastante chato, mas também que ensina muitas lições. Fiquei feliz de ver que o Cussa não desistiu. O jogo é muito divertido e a arte nova ficou incrível. Foi um belo trabalho de criação de identidade visual.

Já o La Muerte é um jogo do Sanderson Gomes, que é mais conhecido do pessoal pelo Engage, que deve ser lançado em breve pela Sherlock S.A, a editora do Possessão Arcana. Fiquei super feliz ao saber que o La Muerte tinha sido fechado com a Hod Studio. Eu gosto muito do trabalho do Sanderson, acho ele um game designer bastante promissor, só falta ser um pouco mais de confiante. 

Eu ainda não joguei o La Muerte como deveria, só tive a oportunidade de jogar uma única vez e com apenas três jogadores. Foi basicamente uma partida apenas para conhecer as regras e senti qual era do jogo. Agradou bastante, já pedi uma cópia ao Cussa para poder testar mais e poder fazer um post bacana aqui no blog. Espero conseguir fazer isso ainda esse ano. Mas soube que foi sucesso no evento, quem jogou curtiu muito. Ele tem uma pegada de humor muito agradável e a arte também está incrível, trabalho da Andreza, esposa do Sanderson. 


O La Muerte teve o PNP liberado no início desse mês, acho que é fácil adivinhar em qual dia isso aconteceu. Já PNP do Bifrost é mais antigo, do início do ano passado, ainda está com a arte anterior. Porém, o jogo não mudou em relação as regras, tanto é assim que continua disponível para quem quiser baixar e experimentar. São dois jogos pequenos, de regras simples e que utilizam uma quantidade relativamente pequena de cartas, então fica a dica para quem estiver interessado em testar. Segues os links para download das versões PNP: Bifrost e La Muerte.

Acabou que não joguei nenhum dos dois jogos, apesar de ambos serem bem rápidos. Eu comecei o dia jogando o tão falado Champions Of Midgard, ele me passou uma sensação bem parecida com a que tenho quando jogo Lords Of Waterdeep. Ele é um Euro médio com a mecânica básica sendo o tradicional Work Placement com Set Collection e Dice Rolling. No Lords Of Waterdeep, ao invés de Dice Rolling, nós temos Take That.

Apesar de não ser fã do Lords Of Waterdeep, eu acho ele um jogo bastante agradável de colocar na mesa. Sendo o Champions Of Midgard na mesma linha, ele tem a vantagem da temática mais interessante e o uso inteligente da mecânica de Dice Rolling que dá um toque de personalidade ao jogo. Embora a utilização de dados no jogo acrescente um fator sorte que não é muito apreciado por eurogamers em geral, eu achei Champions Of Midgard um jogo bastante estratégico.

Cada jogador assume o papel de líder de um clã Viking cujo objetivo é conquistar a maior quantidade de glória e se tornar o novo Jarl. Para isso, os jogadores precisam alocar seus workers para conseguir os recursos necessários para enviar os guerreiros às batalhas. Eles são representados pelos dados, as diferentes cores representam as habilidades específicas de cada um deles. Não existe combate entre os jogadores, eles enfrentam cartas de diversos seres mitológicos. 


Na parte de cima do tabuleiro, nós temos três cartas de draugr e uma carta de troll. A mecânica envolvendo o troll é um das sacadas mais legais do jogo. Se ninguém o enfrenta, todos os jogadores recebem um token de vergonha. Porém, o jogador que o enfrentar passa o seu token de vergonha para um oponente à sua escolha. É bem temático e dá uma interação bacana entre os jogadores.

Na parte de baixo do tabuleiro, nós temos as cartas de seres mitológicos mais fortes. Elas tem uma dificuldade adicional para serem enfrentadas que é o fato do jogador precisar atravessar o mar. Não basta ter os guerreiros, é preciso um barco que comporte a eles e aos suprimentos necessários e torce para não ter nenhuma surpresa desagradável no mar.

As cartas de seres mitológicos são o que forma o Set Collection do jogo que tem um peso grande na pontuação final. Além disso, o jogo também tem cartas de objetivo secreto. Cada jogador começa com uma carta desse tipo e outras podem ser adquiridas ao longo da partida. Além do inicial, eu só peguei mais uma outra carta de objetivo e não consegui cumprir nenhuma das duas. Eu devia ter pego mais, pois meu líder tinha habilidade especial com essas cartas. Porém, consegui vencer por causa da pontuação do Set Collection e porque eu acumulei bastante dinheiro.


Apesar de ter curtido Champions Of Midgard, eu continuo preferindo Blood Rage. Mesmo sendo todo errado em relação a aplicação do tema, realmente podia ser qualquer outra coisa ali, tanto que vai ser reimplementado com temática japonesa, ele me passa mais emoção. Adoro mandar as miniaturas todas ao Valhalla, principalmente com o Ragnarok. Desculpa aí, Cussa!

Bateu até aquela vontade de botar o Blood Rage na mesa agora, eu joguei ele sábado e agora vou ter que esperar pelo próximo final de semana porque está emprestado. Vou me esforçar para escrever o post sobre ele durante essa semana e talvez colocar no ar domingo. Não dá para ser antes porque preciso da minha cópia de volta para fotografar. Voltei a ter câmera, então dá uma renovada no ânimo. Faz tempo que estou querendo escrever sobre ele.

Depois do Champions Of Midgard, acabei jogando um protótipo chamado Obras S/A. O Alexandre Amaral está sempre lá no evento e já tinha me pedido em outras oportunidades para testar o jogo dele, mas acabava nunca dando tempo. O Obras S/A é um euro médio com mecânica principal de Work Placement. O objetivo do jogo é marcar pontos pela realização de contratos de construção de prédios. O final do jogo é disparado quando um jogador ultrapassa a marca dos 25 pontos.


O jogo também tem um Set Collection que é formado pelos tipos de prédios que o jogador vai construindo, além disso ele também tem mecânica de Leilão para decidir a ordem do turno e um sistema de mercado flutuante. Basicamente, os jogadores precisam comprar fábricas para produzir os recursos necessários para cumprir seus contratos. Existe também a opção de comprar esses recursos das fábricas de outros jogadores ou do banco. 

Apesar de ainda precisar de ajustes consideráveis, achei o jogo promissor. A combinação de mecânicas escolhida funciona. Acredito que precisa pensar em como encaixar melhor o tema, porque ainda está muito genérico. Algumas opções de ação me pareceram meio sem sentido. Por exemplo, existe Empréstimo e Corrupção no jogo, mas senti ser muito difícil rolar falta de dinheiro. Na verdade, me pareceu até que ele é muito abundante para esse tipo de jogo.

Gostaria de agradecer ao Alexandre Amaral pelo seu interesse em saber minha opinião sobre o Obras S/A. Eu fico muito contente quando os game designers demonstram essa vontade de me apresentar seus jogos. Eu não sou nenhuma jogadora experiente ou grande conhecedora de game design, além de achar que apenas ter o blog não é motivo suficiente. Mas eu gosto muito de testar jogos em desenvolvimento e me esforço sinceramente para contribuir da melhor maneira possível.

Confira mais alguns outros jogos que rolaram nessa edição do Guadalupeças:




Obrigada a todos que compareceram em mais uma edição do nosso evento, espero revê-los no próximo mês. A edição de dezembro será especial Star Wars aproveitando o lançamento do filme Rogue One. Além de vários jogos temáticos, estamos batalhando para trazer outras coisas bacanas relacionadas à franquia. Fiquem ligados nas nossas redes sociais para saberem das novidades. Até a próxima, pessoal!

Um comentário: