quinta-feira, 5 de março de 2015

Guadalupeças


Ocorreu no último domingo mais uma edição do nosso querido Guadalupeças. Mesmo não tendo nenhum especial, playteste ou jogo novo, o evento foi muito agradável. Tivemos um bom público, como sempre bastante diversificado, o que acho que já podemos considerar como uma característica nossa. Apesar de termos a presença de amigos que são constantes, e dos quais sentimos falta quando deixam de ir, é legal ver uma galera totalmente casual se interessando e tendo o primeiro contato com jogos modernos. Outra questão que está ficando bem marcante no Guadalupeças é o destaque do mercado nacional que está ocorrendo naturalmente. É engraçado ver a surpresa das pessoas ao saberem que jogaram um produto criado por profissionais e empresas brasileiras. Nessa edição, tivemos Masmorra de Dados, The Cook-off e Midgard.

Mais uma vez joguei bem pouco, comecei o dia com sempre muito divertido Concept, depois uma mega partida de Midgard. Eu girei a roda do tempo errado, o que fez o jogo ficar bem mais longo do que deveria. Apesar disso, os meninos que jogaram comigo gostaram bastante e demonstraram bastante interesse em adquiri-lo. Para quem quiser conhecer mais sobre Midgard, leia o post que escrevi sobre ele aqui no blog. Para quem quiser comprar, uma ótima notícia: os jogos da Conclave Editora começaram a ser vendidos no site da Livraria Cultura.



Na minha opinião, existem três grandes categorias de jogos: os que gostamos muito a princípio, mas que vão perdendo a força com o passar do tempo; aqueles que não agradam tanto de início, mas depois vão mostrando seu valor e os que são amor a primeira jogada e isso só vai crescendo cada vez mais. Ainda é um pouco cedo para afirmações, porém acredito que Midgard é um forte candidato a fazer parte desse seleto último grupo.

Para fechar o dia, estreando a expansão A Reforma do Coup. Fiquei um pouco decepcionada, não achei que as religiões acrescentaram tanto ao jogo. Posso estar sendo precipitada, pois só joguei uma vez. A Reforma deveria aumentar a intriga, pois membros da mesma religião não podem se atacar. É possível mudar a sua religião ou a de outro jogador pagando para o Asilo, o dinheiro acumulado pode ser pego por qualquer jogador que alegue não ser o Duque.


Acho que o problema da nossa partida é que foi rápida demais, três jogadores morreram quase em sequência logo no início. Dos que sobraram, eu era a única que tinha uma religião diferente, então tive que pagar para mudar, porque senão eu seria alvo de todo mundo. Quando todos os jogadores restantes pertencem a mesma religião, a regra de não agressão passa a não valer mais. Sendo a única a mudar de religião no jogo, o Asilo nem foi usado. A Reforma deve funcionar melhor com jogadores mais experientes em Coup. Na nossa partida, pareceu que a expansão diminuiu os conflitos ao invés de acentuá-los.

Tivemos vários outros jogos durante o dia, The Cook-off causou boa impressão, gerando comentários elogiosos. Outro jogo que o pessoal gostou bastante foi o Nosferatu, embora não seja nacional, a Conclave fez um ótimo trabalho disponibilizando-o no Brasil.



Por fim, gostaria de agradecer a presença de todos. Sentimos falta dos amigos Felipe Goulart e Carlos Ross, mas tivemos o prazer de receber o Shamou, organizador do Castelo das Peças, que fazia tempo não aparecia no evento e os amigos de Piabetá, Taís e William, que vieram super de longe e ainda nos ajudaram com o transporte dos jogos.

Sobre o próximo Guadalupeças, fiquem ligados nos nossos perfis do FB para saber novidades. O primeiro domingo de abril é Páscoa, então ainda estamos verificando a viabilidade de fazer ou não o evento. Transferir para o domingo seguinte não tem como, pois já existe um outro evento que ocorre no local nessa data. Mas o que não falta são bons eventos aqui no RJ, além de sempre termos a opção de reunir os amigos para uma jogatina caseira. Confira abaixo fotos de mais alguns outros jogos que rolaram durante o evento.





Nenhum comentário:

Postar um comentário