domingo, 20 de julho de 2014

Battles Of Westeros


Battles Of Westeros é um jogo que desanima logo que você abre a caixa, pois é necessário colar todas as 138 peças em suas respectivas bases. Nunca vou entender o porquê de terem feito isso, se alguém souber uma justificativa para isso compartilha comigo. Vencido esse primeiro desafio, vem a montagem do mapa e posicionamento das peças. O jogo trás 10 batalhas diferentes, todas entre Lannisters e Starks, cada uma delas com um setup completamente diferente. Não lembrava de tantas lutas diferentes entre essas duas Casas na Guerra dos Cinco Reis.



A montagem do setup não chega a ser nenhum Guerra do Anel, mas é bem chatinha. Porém, tanta variação é um ponto positivo do jogo, pois proporciona uma alta rejogabilidade. O que é importante em um jogo só para 2 pessoas, pois é bem provável que as partidas sejam sempre entre os mesmos jogadores. As regras são bastante numerosas e relativamente complexas, quem for jogar precisa estar com muita vontade ou então já ser boardgamer cascudo. Battles Of Westeros é muito temático, então recomendo apenas para quem é fã de A Game Of Thrones. Além disso, gostar de Wargame também é um outro ponto relevante. Como na série criada por George R. R. Martin matar mais no campo de batalha não é garantia de vitória. É preciso manter o foco em cumprir o seu objetivo.


Joguei apenas a primeira batalha do manual e posso dizer que valeu a pena toda complicação inicial. Fiquei com o exército Lannister, meu objetivo era capturar duas posições Stark até o quinto turno, eles só tinham que mantê-las. Separando as duas Casas havia um rio para dificultar a minha passagem e facilitar a defesa dele. Meus capitães eram Kevan Lannister na Infantaria e Addam Marbrand na Cavalaria. Os covardes Starks tinham Arqueiros, além de um capitão adicional.

Cada unidade possui um líder que carrega uma bandeira de uma determinada cor: Azul, Verde ou Vermelha. Nessa batalha foram utilizados apenas as duas primeiras. As cores das bandeiras determinam os movimentos e quantidade de dados rolados no ataque. Esses mesmos dados são rolados no início do turno para determinar os tokens de ordem disponíveis para utilização no turno. As unidades são ordenadas por uma relação de correspondência entre a cor da bandeira e do token, mas é possível utilizando dois token de cor igual, ordenar uma unidade de cor diferente.

Além das cores das bandeiras, temos o punho roxo e a bandeira preta. O primeiro é um coringa que permite dar ordem a qualquer unidade e o segundo libera uma unidade para ser utilizada novamente ao custo da diminuição de um ponto de moral. Para equilibrar, uma outra opção é utilizá-lo para aumentar a moral, o que é relevante também para alguns efeitos de carta.


 

Os capitães servem para poder utilizar cartas, que permitem agir com unidades próximas sem utilizar tokens de ordem. Porém, só se as mesmas ainda não tiverem sido utilizadas no turno. Quando uma unidade é utilizada sua bandeira é virada para indicar. Quanto é utilizado um capitão para jogar uma carta, esse recebe um token de comando para marcar tal fato. Existe um limite variável de quantas vez é possível jogar uma carta utilizando um mesmo capitão.


Os capitães possuem uma carta própria que determina quantas ordens por meio de cartas de ação ele pode dar em um turno e determina também seu valor de captura, que é quanto de dano ele precisa tomar para ser retirado da batalha. Além disso, cada um possui também uma habilidade especial. O número de tokens de comando disponíveis para jogar cartas não é igual ao das cartas de capitão. Cada capitão meu podia receber dois tokens de comando, mas eu só tinha disponível três para utilizar. As unidades também possuem cartas próprias, que guiam seus movimentos e dados de ataques de acordo com a cor, como já dito acima, mas também possuem palavras-chaves que dão habilidades. 



A iniciativa é determinada pela batalha, aqui os Starks agem primeiro. Nos demais turnos a iniciativa é definida pelo número de tokens de comando não utilizados pelos capitães. Porém, o marcador fica sempre com eles, servindo como desempate. São rolados 4 dados para determinar os tokens de ordem disponíveis e compradas 3 cartas. As ações são realizadas de forma intercalada entre os jogadores, até que ambos manifestem a intenção de passar o turno. Para o próximo, só podem ser mantidos um token e uma carta, todo o restante que sobrar é descartado.

Se uma unidade avança e fica adjacente a inimiga temos um combate. Só o atacante age, não existe defesa. Ele rola os dados e mata a quantidade de membros da sua unidade de acordo com o número de acertos de cor. É necessário tirar como resultado a cor da unidade que está sendo atacada. Se o atacante tiver mais de uma unidade envolvida no mesmo combate, ele ganha direito de rolar novamente um determinado resultado. Isso é ruim, foi assim que a minha Cavalaria foi varrida. Os dados de punho são coringas, mas Infantaria e Arqueiros não acertam Cavalaria, só sendo válidos no combate entre duas unidades desse mesmo tipo. As bandeiras determinam se haverá recuo. Uma vez em combate, as unidades envolvidas ficam presas uma a outra.


Eu estava de um lado do rio e as posições Starks a serem conquistadas do outro, porém eles tinham unidades em ambos os lados, então mandei minha Cavalaria para cima deles, enquanto avançava com a unidade do Addam Marbrand para juntar com a do Kevan Lannister, que estava mais próxima do rio. Minha preocupação eram os Arqueiros, eles podiam acabar com as minhas unidades a distância, antes que eu sequer chegasse à ponte. Mas o ataque da Cavalaria tirou o foco do inimigo que meio que esqueceu a minha Infantaria.



Quando consegui posicionar bem o Addam Marbrand comecei a avançar a Infantaria. Joguei muito utilizando as cartas acionadas por meio dos meus capitães. Até porque os dados de início de turno não estavam ajudando muito. Conquistei a primeira posição e mandei outra unidade logo atrás para garantir porque era muito provável que eu a perdesse (o que nem aconteceu), ela estava cercada de inimigos. Como outra distração, mandei o Addam Marbrand com mais uma unidade por uma outra ponte. Enquanto isso, passei com o Kevan Lannister para um terreno de floresta (que não permite ataque a distância) adjacente a posição que eu queria conquistar. Os Starks preocupados com o Addam Marbrand na outra ponte abandonaram a posição. Foi só esperar o último turno e caminhar de boas rumo à vitória.


Essa batalha me lembrou uma partida de "Wargame tradicional" que joguei uma vez no Castelo das Peças com o pessoal do Clube Somnium. Foi a batalha de Iwo Jima, só que eu era japa, então tinha que sobreviver ao ataque devastador dos americanos. Estou gostando desse lance de Wargames, acho que está virando meu tipo de boardgame favorito, depois dos Euros, é claro.


O objetivo desse texto foi apresentar por alto o jogo e relatar minha experiência com ele. Confesso que não li o manual e apesar de ter tentado não entrar muito em detalhes para não incorrer em erros, é bem possível que eles tenham acontecido. O Felipe até chegou a comentar, sobre eu estar postando sem um maior conhecimento do jogo. Em geral, procuro ter o máximo de certeza possível sobre as regras, o que não impede erros. A Game Of Thrones: The Card Game recebeu vários acertos e mais recentemente Blueprints também precisou ser corrigido. É só avisar que a gente conserta. Algumas alterações já foram feitas através de dicas recebidas de participantes do Boardgames Brasil. Enfim, queria compartilhar minha empolgação.

6 comentários:

  1. " Nunca vou entender o porquê de terem feito isso, se alguém souber uma justifica para isso compartilha comigo."

    Simples, elas virem já coladas aumenta o custo de produção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é possível que seja um aumento tão significativo. Senão, todo jogo com miniaturas viria desse jeito e eu nunca tinha visto nada assim antes.

      Excluir
  2. Mais um excelente review, Aline! Já namorei este jogo algumas vezes, o fato de ser para dois jogadores sempre pesou um pouco. Já jogou a versão BattleLore?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio. Jogos para dois são complicados quando não se tem um parceiro fixo. Não, mas já ouvi de quem jogou que essa é melhor. Você já jogou?

      Excluir
  3. Tem como me enviar as regras? Pois o meu jogo está todo em italiano...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serve em inglês?

      http://www.ludopedia.com.br/jogo/battles-of-westeros/anexos/20497

      Excluir