segunda-feira, 9 de junho de 2014

Board Game Arena


O Board Game Arena foi o meu grande companheiro de férias, o responsável por eu não conseguir fazer muitas coisas que havia planejado para esse período. A primeira vez que utilizei, alguns meses atrás, não tive uma boa experiência, por isso demorei bastante para acessar novamente. Mas resolvi aproveitar o tempo livre em casa para dar uma segunda chance e para minha alegria dessa vez obtive sucesso.

O Board Game Arena é uma plataforma bem legal de jogos de tabuleiro online em tempo real de origem francesa inaugurado em dezembro de 2010. O acesso é rápido e fácil, não sendo necessária instalação de nenhum software, plugin Flash ou Java. A interface é totalmente intuitiva, não exigindo do jogador a leitura de tutoriais chatos e demorados. A lista de jogos disponíveis é bem grande e está sempre em crescimento. Tudo isso gratuitamente. É só fazer um cadastro simples e começar a jogar. A ideia é que se o jogador sabe o jogo original, ele vai saber jogá-lo no BGA. Mas também é possível aprender novos jogos, pois sempre são disponibilizadas explicações nos mais diversos idiomas e formatos.

Um dos pontos mais bacanas é a questão das traduções, o que facilita bastante a acessibilidade e qualquer um pode contribuir. Alias, por ser um serviço feito de jogadores para jogadores, existem muitos estímulos à participação e integração. Eu li um pouco sobre a história da criação do BGA no BGG, é muito legal. O fundador é um desenvolvedor que começou a fazer versões digitais de jogos de tabuleiro no tempo livre. No início, ele não teve muita preocupação em entrar em contato com as editoras para obter as devidas autorizações, ele conta que esperava que o serviço crescesse mais para pensar nisso. A questão é que elas acabaram descobrindo antes e muitos jogos foram retirados do ar por isso, tais como Dominion e Carcassonne. Depois dessa experiência amarga, ele ficou mais esperto e hoje tem as própria editoras como participantes engajadas na iniciativa.

Minha estreia no BGA foi com Puerto Rico, apesar de nunca conseguir ganhar, gosto muito desse jogo. É um Euro de fácil entendimento com uma mecânica redondinha e incrível rejogabilidade. Não me canso de jogar. Quando sair a versão da Grow já vou estar fera. Depois, comecei a jogar Tzolk'in que é mais pesado, eu me estresso um pouco com ele. Engraçado que quando joguei no tabuleiro de verdade achei o jogo sensacional, já na versão digital perdeu um pouco o brilho. Mas ainda pretendo tê-lo em minha coleção.



Um jogo que seguiu o caminho inverso foi Takenoko. Quando joguei no tabuleiro real, achei que o jogo só tinha beleza, devendo enjoar rápido. Após jogar algumas dezenas de vezes no BGA, virou um dos meus favoritos. A rejogabilidade é muito grande e funciona bem com qualquer quantidade de jogadores, apesar de eu preferi jogar com o número máximo. E não se deixe enganar pelo aspecto fofo, o jogo tem uma pegada agressiva, é um dos que mais me faz xingar na frente do PC. Ele é uma das minhas mais recentes aquisições e com certeza vai aparecer aqui em breve.


Um jogo que quando joguei no tabuleiro de verdade e não gostei é Stone Age. Mas como todo mundo fala tão bem, resolvi experimentar na versão online. Minha opinião permaneceu a mesma. Não entendo porque tanta gente gosta desse jogo. É muito demorado, o que o torna repetitivo e chato.


Também descobri alguns joguinhos rápidos. O primeiro deles foi o Kalah, que faz parte da família da Mancala, eu já jogava Oware. A princípio, eu meio que o desprezava como uma versão simplicada do Oware, mas depois de jogar algumas vezes vi que estava enganada. Depois veio o Gomoku, que faz parte da família do Go. Aqui ninguém come ninguém, o objetivo é simplesmente conseguir fazer uma linha de cinco pedras em qualquer direção. É um jogo rápido e divertido, porém que exige bastante atenção.

Agora, o vício: Can't Stop. É um jogo do tipo pressione sua sorte. Você rola os dados e vai subindo as colunas de acordo com o resultado. Vence o primeiro a conseguir chegar no topo de três colunas. O fator sorte é muito alto, mas também tem um nível de estratégia.


Um jogo muito legal que aprendi no Board Game Arena foi o Seasons que mistura dados e cartas. A partida tem uma passagem de tempo de três anos, antes de começar é necessário escolher as cartas que deverão ser baixadas em cada ano. São três cartas por ano. O tabuleiro é dividido nas quatro estações do ano, cada uma delas possuindo um conjunto de dados específico.

Os dados determinam os elementos que o jogador irá receber, em cada estação existem aqueles que são raros e os comuns. Através dos dados também é possível aumentar poder de invocação e obter a habilidade de transmutação, mas essa é só no turno em que sai o dado. O objetivo do jogo é juntar cristais, transmutar os elementos é uma das formas mais simples de conseguí-los. Os elementos também são importantes para baixar as cartas. É possível também através do dados comprar mais cartas e ganhar cristais diretamente. Cada jogador pegar um dado e sempre sobra um que vai determinar a velocidade da passagem do tempo. Estou louca para jogar pessoalmente, apesar da temática meio batida, achei a mecânica bem legal. Isso para não falar dos componentes que são uma graça.


Eu recomendo muito o Board Game Arena, é uma ótima opção para quando se quer jogar, mas não se tem companhia. Uma das principais criticas aos jogos de tabuleiro adaptados para meios digitais é que se perder a interação, fator muito importante no nosso querido hobby, mas isso não se aplica aqui. No Board Game Arena, você pode jogar com pessoas de todo mundo de maneira aleatória ou pode fechar uma sala para jogar apenas com seus amigos. Não é uma coisa fria como jogar por exemplo no IPAD, onde mesmo online ainda fica aquela sensação de solidão. Sempre tem muita gente online, não tem risco de entrar e não encontrar alguém para jogar.

Outra coisa legal é que eles marcam os seus jogos e indicam a quantidade de pessoas que também tem interesse naquele mesmo jogo, assim é possível mandar convites diretos. O BGA tem também um sistema de bate-papo por escrito bem funcional, acho que se fosse por voz pesaria na conexão e o objetivo é ser leve para ser acessível de forma ampla. Além dos jogos que já citei outros que merecem destaque são: Jaipur, Saboteur, Caylus, Troyes, Tokaido, Race For The Galaxy e mais recentemente tivemos a chegada de Through The Ages: A Story Of Civilization, simplesmente o atual 2º lugar no ranking do BGG. Esse jogo também vem para inaugurar um novo sistema dentro do BGA, que seria um sistema por turnos, para partidas mais demoradas. Ainda não sei muito bem como é isso, pois não experimentei, não é uma modalidade que me atraia. Se alguém quiser me adicionar por lá, meu user é Mohanah.

Nenhum comentário:

Postar um comentário