quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Minha estreia em Android Netrunner



Era só mais um fim de tarde quente em uma semana comum de trabalho no Centro do RJ. Em um restaurante qualquer do tipo fast-food, um grupo de pessoas se reúnem para vivenciarem uma experiência em um universo à parte: Runners contra Corporations em uma batalha mortal. Algo que os apressados pedestres que enchiam as ruas não poderiam compreender jamais. Porém, acho que todo esse cenário deu mais clima para uma bela jogatina de Android Netrunner. Para completar ainda estava rolando um protesto. Muito mais legal jogar assim do que na tranquilidade do lar ou de um evento fechado.

 Heitor de Corp e Felipe (meu noivo) de Runner.

Foi assim a minha estreia no universo de Android Netrunner. Porque não dá para considerar como apenas um jogo. O nível de imersão é muito grande com todo um vocabulário próprio do universo Cyberpunk e uma mecânica que segue a temática, além do belo trabalho de arte das cartas. Eu sou apaixonada por Sci-Fi e ainda mais por esse subgênero em especial. Esse foi um jogo em que a temática foi um ponto mais do que fundamental para despertar meu interesse e me levar ao esforço de querer superar a barreira do idioma.

Um sonho: Interface neural. ^^

A primeira vez que joguei foi alguns meses atrás com uma pessoa que também estava começando, ela me explicou o básico de como o jogo funcionava. Como grande parte dos cardgames, a mecânica é bem simples de aprender, o grande segredo está sempre na estratégia de montagem dos decks e como você utiliza suas cartas. Acho que é fundamental conhecer muito bem suas cartas e todas as possibilidades de combinação entre elas. Conhecer seus pontos fortes e saber reconhecer suas fraquezas também é importante. Depois disso, só joguei novamente na segunda-feira agora para relembrar e não fazer muito feio na jogatina marcada para o dia seguinte, além de ter um conhecimento mínimo das cartas do deck.

Vamos a uma explicação breve de como funciona o jogo, até porque como novata não tenho a menor condição de entrar em detalhes. Como eu já disse no início do texto são Runners contra Corporations. Quem conhece um pouco de Cyberpunk não precisa de explicação sobre o significado desses termos. Se bem que o grande pai William Gibson chama os Runners de Cowboys. Enfim, eles são o que é popularmente chamado de Hackers. Em um universo distópico Cyberpunk, o mundo é controlado por megacorporações que vão ficando cada vez mais ricas enquanto exploram as pessoas que vão se tornando cada vez mais pobres. Esse subgênero da Sci-Fi surgiu na década de 80 e foi dado como morto na década seguinte, mas eu não diria que ele morreu. Só se tornou realidade rápido demais. O próprio Gibson declarou que não publica mais ficção científica porque o futuro já chegou.

 William Gibson é o cara. Gosta de Matrix? Leia Neuromancer e deixe sua mente explodir.

Voltando ao jogo, cada player controla um lado e cada lado possui identidades especificas que vão lhe fornecer habilidades. O jogo gira em torno das Agenda. Elas ficam com as Corps e são baixadas na mesa viradas. As Corps precisam pontuá-las e os Runners vão tentar pegá-las antes disso. Para proteger as Agendas, as Corps tem seus ICEs (que seriam os Firewalls) que também são jogados virados. Contra isso, os Runner tem seus Icebreakers. Existem muitas outras cartas: Event, Operation, Resource, Hardware, Program (Nem todo programa vai ser um Icebreaker), Asset e Upgrade. Mas o jogo gira em torno dos ICEs e Icebreakers para pegar as Agendas, as demais cartas são apoio.

  Identidades: Corporation e Runner.



 Agenda.

 ICEs.

 Icebreakers.

Cada lugar em que uma carta é jogada por uma Corp é um servidor e pode ser invadido por um Runner. O mesmo vale para a pilha de compras, cartas da mão e até mesmo a pilha de descarte. O jogo da Corp é altamente defensivo, enquanto o Runner precisa ser agressivo para tentar pegar as Agendas o mais rápido possível, pois quanto mais o tempo passa, mais forte fica a Corp e mais ICEs ela vai ter instalado em seus servidores. Um ponto importante é que a Corp joga tudo virado, então tem um quesito blefe muito forte no jogo, porque ela pode preparar diversas armadilhas para o Runner. Quem soma 7 pontos de Agenda primeiro ganha. Segue umas fotos do manual para ficar mais claro a organização da mesa, principalmente quanto a nomenclatura das coisas.

 Organização da mesa de Runner.

 Organização da mesa de Corp.

 
Uma mesa real acaba não ficando tão organizadinha.
 
Um turno de jogo tem 4 ações para o Runner e 3 para a Corp, sendo que ela compra carta todo turno como ação livre, o que pode ser bom ou ruim. Essas ações são chamadas de clicks. O limite de cartas na mão é cinco, mas é importante para o Runner manter sua mão cheia. Ao tentar invadir um servidor, ele pode tomar dano, isso significa perder cartas. Se ficar sem cartas na mão perdesse o jogo. Do lado da Corp, ela perde se sua pilha de compra acabar.

 Lista de ações possíveis para Corp e Runner.

Tentei explicar o jogo da melhor forma possível e resumidamente, não sei se fui bem nessa ingrata tarefa, provavelmente não. Acho que ainda vai levar um tempo considerável para eu ter condições de escrever algo digno. Mas se você quiser ler um texto de quem realmente sabe muito é só visitar o blog Android Netrunner Brasil

E a jogatina? Foram 4 partidas, 2 de Runner e 2 Corp. Como todo novato gostei muito mais de jogar de Runner. Na primeira partida, eu perdi miseravelmente, fiquei sem cartas na mão. Mas na segunda, consegui uma vitória. Apesar de achar que o Heitor facilitou a minha vida só para eu não ficar desanimada. Já como Corp, a primeira partida foi um horror também. Tem muita coisa no deck que eu ainda não sei como utilizar, Assets e Operations. Fora que blefar não é a minha. A segunda partida foi bem melhor. Não ganhei, mas consegui segurar bastante tempo. O rapaz que jogou comigo (conheci ele lá) foi muito bacana e paciente, explicando o que cada carta fazia e mostrando onde estavam meus erros, dando dicas do que eu poderia fazer. 

Quem quiser jogar, rola toda segunda-feira (essa semana foi terça-feira por causa do feriado) no KFC da Presidente Vargas no Centro do RJ a partir das 17 horas. Para melhores informações, acompanhe o grupo do jogo no Facebook: A:NR - Rio City Grid.

Um comentário:

  1. Ficou mto boa a resenha sim. :)
    Eu só salientaria mais o fato dos runners jogarem completamente diferente das corporations.

    PS.: o termo "Runners" vem do Cyberpunk 2020, que é o cenário do jogo em sua edição original de 96.

    ResponderExcluir